Composição com volumes

Elementos de composição · Atividade II

4 minuto(s) de leitura

Ementa

O volume singular da edícula é o elemento de base da arquitetura. A articulação entre volumes é a linguagem da composição arquitetônica. Numa composição arquitetônica tradicional, cada volume é claramente delimitado, tem uma forma geométrica clara, e é articulado de modo autônomo. Ao mesmo tempo, todos os volumes de uma composição se relacionam por meio de traçados reguladores e transições (passagens) para formar um todo coerente, dotado de uma hierarquia espacial facilmente apreendida pelo usuário.

A composição espacial decorre dos sete tipos edilícios fundamentais e não se prende às minúcias de um programa de necessidades funcionalista, porque a função específica muda constantemente, enquanto o caráter geral dos edifícios é muito mais duradouro. Vamos, portanto, trabalhar com um pequeno conjunto de volumes e suas transições. A composição resultante não tem programa de necessidades definido, mas deve ter um caráter indicado com clareza pela combinação de volumes e passagens:

Usando cinco volumes bem definidos e as transições espaciais apropriadas, compor uma edificação refinada, representativa de um dos sete tipos edilícios fundamentais.

Figura 1: Sete tipos edilícios fundamentais, baseado em Westfall

Objetivo

Articular espaços com formas geométricas definidas, usando os elementos da construção tradicional e a tipologia edilícia para dar forma e caráter a esses espaços.

Produto

Conteúdo

  • O ponto de partida será um dos sete tipos edilícios fundamentais ou, eventualmente, uma combinação entre tipos.
  • A composição deve ter caráter refinado e erudito, com pelo menos um eixo de simetria.
  • A composição deve ter cinco volumes espaciais bem definidos e, no mínimo, uma transição espacial (corredor, pórtico, sala de espera, escadaria, etc.).
  • A construção será em alvenaria de pedra, de tijolos, ou uma combinação de ambos, de acordo com uma tradição construtiva à sua escolha.
  • Os volumes podem ser cobertos ou descobertos, e as transições podem ser vedadas ou permeáveis; em todos será possível inscrever um círculo com, no mínimo, 2,5 metros de diâmetro.
  • Pelo menos um dos cinco volumes deve ser coberto com uma cúpula e outro com uma abóbada.
  • Nenhum dos cinco volumes pode estar diretamente sobreposto a outro(s).
  • O caráter dos volumes individuais, o tipo da composição como um todo, o sistema construtivo e os detalhes decorativos devem ser condizentes entre si e com uma expressão sofisticada dentro da tradição construtiva escolhida.

Apresentação

Uma única prancha em desenho técnico, com margem, carimbo, escala gráfica e legendas, mostrando:

  1. Planta baixa com indicação tracejada das abóbadas;
  2. Corte mais significativo;
  3. Elevação principal;
  4. Detalhes conforme necessário.

Planta, corte e elevação devem mostrar, tanto quanto necessário para a sua compreensão, o entorno imediato onde a composição está implantada.

Critérios de avaliação

Tabela 1: Critérios de avaliação
Critério Valor
Senso de espacialidade e tipologia correto e bem expressado 10
Aplicação correta dos elementos da construção tradicional 10
Desenho correto e preciso, mostrando o traçado regulador das proporções 5
Prancha composta de modo elegante e legível, com todas as informações necessárias 5
Total 30

Você também deve atender ao seguinte:

Bibliografia

As referências indicadas abaixo devem ser usadas como ponto de partida para uma pesquisa mais aprofundada.

  1. Petruccioli, Attilio, org. Typological Process and Design Theory. Procedings of the International Symposium ... March 1995. Cambridge, Mass.: Aga Khan Program for Islamic Architecture at Harvard University : Massachusetts Institute of Technology, 1998. https://archnet.org/publications/4240.
  2. Arnold, Felix. Islamic Palace Architecture in the Western Mediterranean: A History. Oxford: Oxford University Press, 2017. https://search.ebscohost.com/login.aspx?direct=true&scope=site&db=nlebk&db=nlabk&AN=1481501.
  3. Ballantyne, Andrew. As mais importantes edificações da pré-história à atualidade: plantas, cortes e elevações. Traduzido por Alexandre Salvaterra. Porto Alegre: Bookman, 2012.
  4. Bonell, Carmen. La divina proporción: las formas geométricas. Barcelona: Edicions UPC, 1999.
  5. Ching, Francis D. K., Mark M. Jarzombek, e Vikramāditya Prakāsh. História global da arquitetura. Traduzido por Alexandre Salvaterra. 3.ª ed. São Paulo: Senac São Paulo, 2016.
  6. Crespo, Raúl Arnaldo Gómez, e Alfonso Corona Martinez. “Principles of Classical Composition in Architecture and Urban Design”. Journal of Architectural Education 36, nº 1 (1982): 24–25. https://doi.org/10.2307/1424604.
  7. Fletcher, Banister, e Banister F. Fletcher. A History of Architecture on the Comparative Method for the Student, Craftsman, and Amateur. 5. Ed. London : New York: Batsford : Scribner’s sons, 1905. http://archive.org/details/historyofarchite00flet.
  8. Gabriel, J. François. Classical Architecture for the Twenty-First Century: An Introduction to Design. New York: W. W. Norton & Co. in association with the Institute of Classical Architecture and Classical America, 2004.
  9. Harbeson, John F. The Study of Architectural Design: With Special Reference to the Program of the Beaux-Arts Institute of Design. New York: Pencil Points, 1926. https://hdl.handle.net/2027/mdp.39015014100054.
  10. Krier, Léon. The Architecture of Community. Organizado por Dhiru A. Thadani e Peter J. Hetzel. Washington, D.C.: Island Press, 2009.
  11. Krier, Rob. Architectural Composition. New York: Rizzoli, 1988.
  12. Palladio, Andrea. I quattro libri dell’architettura. Venezia: Dominico de’ Franceschi, 1570. https://archive.org/details/qvattrolibridel00pall/.
  13. Peterson, Steven, e Barbara Littenberg. Space & Anti-Space: The Fabric of Place, City and Architecture. Novato, Cal.: ORO, 2020.
  14. Robertson, Donald Struan. A Handbook of Greek and Roman Architecture. Cambridge, England: Cambridge University Press, 1929. http://archive.org/details/in.ernet.dli.2015.280989.
  15. Segurado, João Emilio dos Santos. Edificações. Construcção civil. Lisboa: Bibliotheca de instrucção profissional, [s.d.].
  16. Steinhardt, Nancy Shatzman. Chinese Architecture: A History. Princeton, N.J.: Princeton University Press, 2019.
  17. Tzonis, Alexander, e Liane Lefaivre. Classical Architecture: The Poetics of Order. Cambridge, Mass.: MIT Press, 1986.
  18. Westfall, Carroll William. “Building Types”. In Architectural Principles in the Age of Historicism, organizado por Carroll William Westfall e Robert Jan \noopsortpeltvan Pelt, 138–67. New Haven: Yale University Press, 1991.
  19. Pereira da Costa, Francisco. Enciclopédia prática da construção civil. Lisboa: Edição do autor : Portugália, 1955.
  20. Vitrúvio. Tratado de arquitetura. Traduzido por M. Justino Maciel. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

Atualizado em: