Corpo e natureza: bioclimatismo

Elementos de composição

Pedro P. Palazzo

2022-03-08

Arquitetura em climas extremos

Rede de comércio marítimo global. Mapa: Nicolas Rapp, 2012

Redes comerciais na África, Ásia e Europa nos séculos XI–XII. Mapa: Martin Månsson, 2018, v.4

Três idades do homem #

Casas semienterradas

Planta da aldeia neolítica de Skara Brae, ilhas Órcades, Escócia, 3100–2800 a.C. Desenho adaptado de V. Gordon Childe, 1930

Modelo tridimensional da casa 7 em Skara Brae, 3100–2800 a.C. Historic Environment Scotland, 2021

Reconstituição da aldeia de Skara Brae vista desde o pátio de acesso ao corredor

Câmara de uma casa em Skara Brae, com lar central e três plataformas contra as paredes, célula satélie ao fundo. Foto: Archaeology Scotland, 2013

Reconstituição da câmara de uma casa em Skara Brae com a sua cobertura. Foto: Orkneyology

Ásia oriental

Regiões biogeográficas segundo Alfred Rusell Wallace, 1876. A China atravessa a divisa entre as regiões Paleártica e Oriental

Biomas de vegetação natural da China. Adam Peterson, 2016. O centro cultural da China, onde foi situada a maior parte das suas capitais históricas, está no limiar entre a região de florestas temperadas, onde se cultiva arroz, e a de estepes semiáridas, onde se cultivam cereais

Área de influência cultural chinesa no século VII d.C. Desenho: Brian Gotts, 2007

Salão comunal semienterrado em Banpö, oeste da China, c. 4500 a.C. Desenho: Francis D.K. Ching

Diagrama de uma casa semienterrada, período Jōmon tardio, Japão, últimos séculos a.C. Kawashima, 2011

Detalhe da estrutura de uma casa semienterrada, período Jōmon tardio

Estratégias de ventilação

China: casas-pátio polivalentes

Diorama da cidade de Linxi, dinastia Shang. Foto: 1001 Silk Roads, 2010

Casas-pátio

Léon Krier, ocupação urbana e suburbana de um lote

Trecho da malha urbana de Ur, antiga Suméria, III milênio a.C.

Estratégias bioclimáticas de uma casa em Ur, antiga Suméria, III–II milênios a.C.

Mediterrâneo

Planta esquemática da casa A vii 4 em Olinto, segundo Cahill, 2002

Casas em Priene, reconstituídas por Whitley, 2001

Casas em Priene. Reconstituição por Gabriel Gourdoglou

Reconstituição de casas em Olinto

Reconstituição de um pátio em Olinto, segundo Brunner

Olinto, casa das cores, reconstituição por Cahill, 2002

Planta esquemática de uma domus na cidade romana de Pompeia, c. século I a.C.–I d.C. Desenho: August Mau, 1899

Planta da casa de Salústio, Pompeia, c. século II a.C.–I d.C. Desenho: August Mau, 1899

Casa de Pansa, Pompeia, vista do átrio através do tablinum até o peristilo. Reconstituição segundo Mau, 1899

Planta estrutural de um átrio toscano, segundo Mau, 1899

Corte longitudinal da casa de Salústio, Pompeia, século II a.C., compreendendo fauces, átrio e tablinum. Desenho: Mau, 1899

Esquema de uma cisterna romana

Cisterna na casa do átrio em U, Aregenua, Gália romana (atual sítio de Vieux-la-Romaine, Normandia)

Reconstituição da casa de Maomé em Medina, c. 622 d.C., segundo Leacroft, 1976

Alhambra, Granada, corte do pátio das murtas olhando para o divã do sultão (elevação norte), anterior ao século XVI. Levantamento: Jules Goury, 1842

Ventilação indireta

Badghir (torre de ventilação) em Yazd, Irã. Foto: Andrea Taroni, 2008

Princípio de funcionamento de uma torre de ventilação

Hassan Fathy, arquiteto, corte de uma casa em al-Qurna, Egito, 1946–1952. Desenho reproduzido em TecnoHaus, 2017

Corte esquemático de um qanat. Amada44, 2009

Qanat - Madarkoshi. Produção: Nikahang, 2018

Yakchāl: ambiente de resfriamento com o uso de um qanat e uma badghir. Desenho: Samuel Bailey, 2009

Difusão da tecnologia do qanat. Desenho: Emesik, 2009

Ventilação cruzada

Arquipélago de Nusantara no auge do império Majapahit, século XIV Gunawan Kartapranata, 2009

Setorização da casa malaia
Ventilação cruzada na casa malaia

Sequência tipológica da casa malaia. Lin, 1991, ap. Beng et al., 2015

Reconstituição do kota raja (complexo palaciano) de Malacca no século XV. Desenho: Mohd Faizal Rahmat, 2016–2018

Índia: unidade na diversidade

Percy Brown (1872–1955) com o artista caxemirí D.N. Walli

Em cada um dos principais processos históricos da arquitetura há um princípio básico fundamentando a sua concepção, e que lhe dá a sua distinção acima de tudo. Entre os gregos era a perfeição refinada; edifícios romanos são notáveis pela sua construção científica; o Gótico francês revela uma condição de energia ardente, enquanto o Renascimento italiano reflete a intelectualidade da sua época. Do mesmo modo, a qualidade preeminente da arquitetura da Índia é o seu teor espiritual. … Ela é a mente materializada em termos de rocha, tijolo ou pedra. (Brown 1)

Ananda K. Coomaraswamy (1877–1947). Foto: Alvin Langdon Coburn, 1916

Civilização do vale do rio Indo, fase central. Desenho: Avantiputra7, 2014

Migrações arianas no período védico inicial. Desenho: Avantiputra7, 2014
Reinos nāgara do período védico tardio. Os territórios ao sul da área sombreada correspondem em linhas gerais à cultura dravídica. Desenho: Avantiputra7, 2014

Selo Paśupati (senhor dos animais), talvez representando uma figura de “Shiva” ou iogue. Mohenjo-Dāro, 2600–1900 a.C.

Cidades da cultura da cêramica cinza pintada, Idade do Ferro inicial. Mapa: Avantiputra7, 2014

Dançarina dita “dravídica”, Mohenjo-Dāro, 2300–1750 a.C. Bronze, 10,8 cm de altura. Museu Nacional, Nova Déli
Estatueta dita do rei–sacerdote ou sacerdote “ariano”, Mohenjo-Dāro, 2400–1900 a.C. Pedra-sabão cozida, 17,5 cm de altura. Museu Nacional do Paquistão, Karachī

Migrações na Eurásia da Idade do Bronze Média, c. 1750–1250 a.C. No centro, migração de povos indo-arianos (“Rigvédicos”) da Ásia central para o noroeste da Índia. Mapa: Carlos Quiles, 2021

Nāgara vs Drāviḍa

Prevenções ocidentais: ênfase no templo como monumento vs diversidade das formas de devoção

Império Maurya no seu auge. Desenho: Avantiputra7, 2014

Planta dos monumentos na colina de Sāñcī. Archaeological Survey of India

Estupas e mosteiros na colina de Sanchi, reconstituição nos primeiros séculos d.C. segundo Percy Brown, 1959

Civilizações hidráulicas

Diagrama dos ventos de monções no oceano Índico e sul da Ásia

Registro de pluviometria das monções no sul da Ásia. Desenho: Mdmadhu, 2017

Ciclo das monções em Panorama point, Monte Methera, Ghats ocidentais. Fotos: Arne Hückelheim, 2010

Expansão do hinduísmo na Ásia, século I a XII d.C. Mapa: Gunawan Kartapranata, 2015

Ceilão

Rochedo e palácio de Sigiriya, Sri Lanka, iniciado 477 d.C.

Complexo urbano–paisagístico–palaciano de Sigiriya. Planta: Nilsan Cooray, 2012

Sistema de proporções dos jardins na cidade baixa de Sigiriya. Reconstituição por Nilsan Cooray, 2012

Sistema de proporções e eixos em Sigiriya. Reconstituição por Nilsan Cooray, 2012

Sistema de proporções no mandala central do jardim de Sigiriya. Reconstituição por Nilsan Cooray, 2012

Esquema hidráulico dos jardins de Sigiriya. Reconstituição por Nilsan Cooray, 2012

Planta dos jardins suspensos do rei Kaśyapa no palácio de Sigiriya, após 477. Desenho: Nilsan Cooray, 2012

Volumetria dos jardins suspensos de Kaśyapa. Modelo: Nilsan Cooray, 2012

Agricultura e comércio internacional

Rede comercial marítima dos povos austronésios. Mapa: Obsidian Soul, 2019

Estados da Ásia no início do século XIII. Mapa: Talessman, 2007

Antiga rota do chá entre a China, a Índia e o Sudeste asiático. Mapa: Redgeographics, 2017

Região fronteiriça entre o Yunnan (China) e a Birmânia. Foto: David and Jessie, 2009

Antiga rota do chá em Chenyao, China. Foto: Nekitarc, 2017

Carregadores de chá em Sichuan

Plantação de arroz em Wuli, Yunnan. Foto: Xing Fangyu, 2020

Império Khmer

Expansão do império Khmer. Mapa: Thames Mapping, 2021

Diorama representando um rei khmer. Cambodian Cultural Village, Siem Reap

Angkor

Sistema de canais e reservatórios de Angkor no período imperial. National Geographic

Alagamento sazonal do Grande Lago, Camboja. Escola de Arquitetura da Universidade de Hong Kong

Tanque de água em Angkor Wat. Foto: Luis Bartolomé Marcos, 2014

Vrah Vishnulok, o centro administrativo e religioso de Angkor, formado por Angkor Wat e Angkor Thom

Levantamento por LiDAR da área em torno de Angkor Wat. Evans e Fletcher, 2015

Plano de conjunto de Angkor, levantado por LiDAR. Evans e Fletcher, 2015

Bibliografia

Alberti, Leon Battista. Da arte edificatória. Translated by Mário Júlio Teixeira Krüger, Fundação Calouste Gulbenkian, 2011.
Brown, Percy. Indian Architecture: Buddhist and Hindu Periods. D.B. Taraporevala Sons, 1959, http://archive.org/details/in.gov.ignca.18060.
Coomaraswamy, Ananda K. Christian and Oriental Philosophy of Art. Dover, 1956.
Evans, Damian, and Roland Fletcher. “The Landscape of Angkor Wat Redefined.” Antiquity, vol. 89, no. 348, Dec. 2015, pp. 1402–19, https://doi.org/10.15184/aqy.2015.157.
Graham, J. Walter. “Origins and Interrelations of the Greek House and the Roman House.” Phoenix, vol. 20, no. 1, Classical Association of Canada, 1966, pp. 3–31, https://doi.org/10.2307/1086313.
Kawashima, Takamune. “Burial Practices and Social Complexity: Jomon Examples.” Documenta Praehistorica, vol. 38, Dec. 2011, pp. 109–18, https://doi.org/10.4312/dp.38.9.
Kenoyer, Jonathan Mark. “Interaction Systems, Specialised Crafts and Culture Change: The Indus Valley Tradition and the Indo-Gangetic Tradition in South Asia.” The Indo-Aryans of Ancient South Asia: Language, Material Culture and Ethnicity, edited by George Erdosy, Walter de Gruyter, 1995, pp. 213–57.
Liang, Sicheng. A Pictorial History of Chinese Architecture: A Study of the Development of Its Structural System and the Evolution of Its Types = 图像中国建筑史. Edited by Wilma Fairbank, MIT Press, 1984.
Palladio, Andrea. I quattro libri dell’architettura. Dominico de’ Franceschi, 1570, https://archive.org/details/qvattrolibridel00pall/.

  1. A população pré-histórica do vale do rio Indo provavelmente não era dravídica e sim austro-asiática, parte de um substrato que se estende até o sudeste Asiático.↩︎