História ou arquitetura

Em 1839, o arquiteto americano Ithiel Town encomendou ao seu amigo Thomas Cole uma pequena pintura de paisagem com algumas construções clássicas. Em vez disso, Cole pintou uma imensa alegoria da Arquitetura, intitulada Sonho do arquiteto. fig. 1 A tela representava os principais estilos arquitetônicos do Ocidente, desde o Egito antigo até a Idade Média passando pela Antiguidade clássica. Town se negou a receber a pintura porque ela não atendia à especificação da encomenda.

O mal-entendido dos dois amigos, agora ex-amigos, está na oposição entre uma análise crítica da tradição arquitetônica, consagrada na pintura de Cole, e a expectativa de Towne por uma aplicação integrada dessa tradição. É a mesma oposição que existe entre pesquisar a História da arquitetura e fazer Arquitetura tradicional. O curso que estamos iniciando aqui não é propriamente de História da arquitetura, e sim um curso de Arquitetura tradicional. Agora vamos ver por que essa escolha tem que ser feita.

Para Town, o cliente, arquitetura e pintura são ofícios que atuam num mercado e que, na maioria dos casos, trabalham por encomenda. O profissional recebe instruções e executa um serviço especializado, com autonomia para tomar decisões técnicas e estéticas que são da sua alçada; isso inclui ser capaz de manejar um repertório de iconografia tradicional.

Figura 1: Thomas Cole, Architect’s Dream, 1840. Fonte e maiores informações: Google Arts and Culture

Figura 2: Thomas Cole, Architect’s Dream, detalhe

Cole, o profissional especializado em questão, de fato detinha a formação intelectual que o cliente esperava dele. Não há duvida de que ele enxergasse o estudo da história como um instrumento técnico do seu trabalho. Apesar disso, Cole produziu uma pintura que não simplesmente se serve de elementos históricos, mas uma que diz alguma coisa sobre a história da arquitetura. O Sonho do arquiteto de Cole é uma espécie de crítica — ou seja, um produto que consiste em analisar o seu tema. No caso, ele analisa o modo como o arquiteto (fig. 2) organiza o repertório da tradição ocidental.

Essa crítica é o cerne da pesquisa histórica contemporânea, mas ela produz, segundo o historiador britânico Stephen Bann, necessariamente uma justaposição de fragmentos.Bann, “Clio in Part”.

Cole certamente tinha motivos para estar orgulhoso da qualidade da pintura que ele produziu. Mesmo assim, o cliente também tinha razão em dizer que a pintura não atendia à encomenda. O que Town esperava receber não era uma análise da diversidade de estilos históricos, e sim o uso desses estilos numa composição tradicional integrada. O pintor alemão Leo von Klenze, alguns anos mais tarde, demonstraria justamente essa integração na sua série de pinturas arqueológicas de Atenas (fig. 3)

Figura 3: Leo von Klenze, Reconstituição da Acrópole e do Areópago em Atenas. Óleo sobre tela, 1846

Temos aqui um conflito entre dois valores intrínsecos à definição moderna de profissões como a arte e a arquitetura: por um lado, o papel da crítica que transforma constantemente o campo profissional; por outro lado, a natureza do trabalho técnico nesse mesmo campo profissional, que é a de ser operativa — ou seja, de produzir um objeto. Crítica e produção são ambas tarefas válidas e necessárias na disciplina da Arquitetura, mas elas são tarefas distintas entre si. Só a História da arquitetura tem os instrumentos para fazer crítica, e só o ofício da Arquitetura tem os instrumentos para ser operativa.

Apesar disso, é tentador misturar as duas coisas. Uma grande parte da bibliografia produzida no século XX que, supostamente, eram livros de História da arquitetura, na verdade eram argumentos teóricos sobre o ofício da Arquitetura, usando a história como pretexto.

Figura 4: Capitular do tratado Da arquitetura de Vitrúvio na edição de Cesare Cesariano (Como: Gottardo da Ponte, 1521). Acervo Museum of Fine Arts Boston

O uso de argumentos pseudo-históricos para servir aos propósitos da teoria da arquitetura tem um pressuposto implícito: Arquitetura é o que os arquitetos fazem. Esse pressuposto vem de longe. O arquiteto romano Vitrúvio, por volta do ano 15 a.C., escreveu o mais antigo tratado completo sobre a disciplina da arquitetura. fig. 4 Para ele, a Arquitetura era um campo do conhecimento definido pela formação e atuação do arquiteto. Essa formação foi um dos primeiros assuntos nos quais ele tocou, logo no começo do primeiro capítulo do primeiro livro. A história faz parte de um rol bastante amplo de conhecimentos que o arquiteto profissional tem que dominar:

A ciência do arquiteto é ornada de muitas disciplinas e de vários saberes […] E assim, parece que aquele que pretende ser arquiteto deverá se exercitar [na prática e na teoria]. […] Deverá ser versado em literatura, perito no desenho gráfico, erudito em geometria, deverá conhecer muitas narrativas de fatos históricos. Ouvir diligentemente os filósofos, saber de música, não ser ignorante de medicina, conhecer [a jurisprudência], ter conhecimento da astronomia e das orientações da abóbada celeste.Vitrúvio, Tratado de arquitetura, I, i.

A descrição de Vitrúvio já massageou o ego de muitas gerações de arquitetos. Ela mostra um profissional culto, o que chamaríamos hoje de humanista, membro da elite cultural da sociedade e talvez próximo do poder político, como o próprio Vitrúvio desejava ser. Essa autoimagem foi bem capturada na cena imaginária do gravurista francês Sébastien Leclerc, que mostra Vitrúvio apresentando um projeto ao imperador Augusto. fig. 5

Figura 5: Sébastien Leclerc, Vitrúvio apresentando o tratado Da arquitetura ao imperador Augusto, 1684

Figura 6: João Batista Vilanova Artigas na FAUUSP, 1979. Foto: Cristiano Mascaro

Esse argumento é imensamente influente na teoria da arquitetura até hoje, passando pelos tratadistas do Renascimento e pela famosa carta do arquiteto modernista brasileiro Vilanova Artigas, fig. 6 Arquitetura: atribuição do arquiteto. Mais ainda, ele casa bem com as pretensões humanistas do ensino de arquitetura dentro das universidades, que é o modelo dominante nas Américas desde a metade do século XX.

Figura 7: Simon Vouet, Artemísia de Cária construindo o Mausoléu de Halicarnasso. Óleo sobre tela, início da década de 1640

Se olharmos por esse lado, a História da Arquitetura passa a ser a crônica do que os arquitetos fizeram ao longo dos séculos, ou seja, um elenco de obras eruditas e, em geral, monumentais. Na pintura de Simon Vouet, os arquitetos do Mausoléu de Halicarnasso, na Grécia antiga (fig. 7) aparecem como os profissionais que concebem no desenho. Eles estão diretamente associados ao poder político, na figura da rainha, e bem distantes da construção propriamente dita. Acontece que os arquitetos que Vouet mostrou eram anacrônicos; eles não correspondiam à realidade do ofício na Antiguidade (uma realidade que Vouet não tinha como conhecer). As personagens da pintura mais pareciam os arquitetos que eram burocratas da Coroa francesa no século XVII.

Figura 8: Manfredo Tafuri

O historiador da arquitetura italiano Manfredo Tafuri (fig. 8) mostrou que esse anacronismo não acontece por acaso, mas que ele aparece toda vez que alguém tenta misturar a crítica histórica com a produção de uma teoria da Arquitetura. Tafuri escreveu que isso não acaba sendo nem História, nem Arquitetura: não é História porque está a reboque de um projeto de legitimação profissional do arquiteto contemporâneo, e portanto não tem autonomia crítica; e não é Arquitetura porque faz um recorte reducionista da disciplina, que não dá o suporte adequado seja para a teoria, seja para a produção.Tafuri, Teorias e história da arquitectura.

O Sonho do Arquiteto de Cole (ver fig. 1) nos trouxe um conflito entre História e Arquitetura que Tafuri nos deu o caminho para resolver: qual é o lugar da História na Arquitetura, e em particular, para que serve o estudo da História da Arquitetura numa universidade que forma profissionais da Arquitetura (fig. 9)?

A única resposta possível a esta última pergunta é: o estudo da História da Arquitetura serve para fazer história da arquitetura. História é crítica, e a autonomia intelectual necessária para fazer uma análise crítica se perde assim que a história precisa se dobrar a alguma exigência prática do ofício. Por exemplo, a famosa pesquisa de repertório que todo ateliê de ensino de projeto pede não é uma pesquisa histórica, por mais que estude obras do passado. A pesquisa de repertório é um estudo de obras de arquitetura com um propósito operativo. Isso quer dizer que fazer pesquisa de repertório é ruim, é errado? Claro que não! Isso quer dizer que estudar História da Arquitetura é uma coisa, e estudar Arquitetura usando modelos tradicionais é outra.

Figura 9: Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília. Foto: Murilo Abreu, 2014

Figura 10: João Batista Vilanova Artigas e Carlos Cascaldi, arquitetos, edifício da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo. Foto: Rafael Craice, 2015

Só que cada curso de “História da Arquitetura” nas universidades precisa assumir se quer fazer uma coisa ou outra. Em faculdades grandes, que formam muitos futuros pesquisadores, como a FAUUSP (fig. 10) ou a FAU–UFRJ, é comum os cursos de História da Arquitetura serem explicitamente críticos. Já em faculdades menores, que formam sobretudo projetistas, há uma tendência em tratar implicitamente os cursos históricos como uma espécie de base de cultura geral.

Figura 11: Gustavo Rocha Peixoto na Escola da Cidade, São Paulo, 2015

É nessa “cultura geral” que mora um último perigo: o da indecisão. O professor da FAU–UFRJ Gustavo Rocha Peixoto (fig. 11) defende que os cursos de “cultura geral” se guiem pelo que ele chama de “ensino meta-histórico”.Rochapeixoto:2013estrategia?; ver também rochapeixoto:2015estrategia?

Resumindo (e provavelmente mutilando terrivelmente) a tese do professor (por sinal, assistam ao vídeo da palestra dele que está no link), Rocha Peixoto defende um ensino de História que desenvolva ao mesmo tempo o espírito da crítica em história e a imaginação produtiva da arquitetura.

Na prática, esse ensino, quando é bem conduzido, alterna entre a crítica e a formação de um repertório criativo. Na pior das hipóteses, ele poderia formar um repertório sem critérios claros, portanto contraproducente, sem alcançar tampouco nenhuma reflexão crítica. Um exemplo disso é o esforço premeditado que o teórico Colin Rowe fez para argumentar que a arquitetura modernista de Le Corbusier na década de 1920 se baseava no classicismo de Palladio.Rowe, “The Mathematics of the Ideal Villa.

O resultado é um exercício gráfico curioso, fig. 12 mas sem nenhuma prova de que o paralelo fosse intencional, ou mesmo relevante.

O perigo é especialmente grande quando se trata de estudar a arquitetura tradicional (daqui a pouco vamos definir o que seja isso). Todo arquiteto contemporâneo tem um desejo irresistível de levar os modelos tradicionais pelo caminho da abstração, e essa abstração leva a interpretações arbitrárias, à projeção de uma ideologia decidida a priori sobre o objeto: novamente, nem crítica histórica do objeto e nem estudo criterioso do modelo tradicional.

Figura 12: Ilustrações do artigo Matemática da villa ideal, de Colin Rowe

Este curso é um estudo operativo da arquitetura tradicional. O seu objetivo é recompor os processos de produção do ambiente construído anteriores à Revolução industrial. Essa recomposição é um esforço de responsabilidade social que envolve profissionais e comunidades por todo o mundo, e que vem crescendo desde a segunda metade do século XX. fig. 13 O curso se divide em duas partes. A primeira parte é composta por três módulos teóricos, que introduzem os três grandes princípios da arquitetura tradicional: construção, espacialidade e plástica. A segunda parte é composta por quatro módulos que desenvolvem os quatro principais problemas tangíveis da prática: elementos da arquitetura, composição com espaços, tipologia edilícia e urbanização.

Figura 13: Hassan Fathy, arquiteto, habitação social em al-Qurna, Egito, 1946–1952

Continuidade e ruptura

Figura 14: Vista de Paris com a torre Montparnasse ao fundo. Foto: Bradley Weber (2017)

Este curso propõe um estudo operativo da arquitetura tradicional. Já vimos que isso é diferente de uma história crítica da arquitetura, na medida em que o nosso objetivo é reconstituir um processo produtivo por inteiro, e não analisar as suas partes e relações. Esse objetivo implica que “arquitetura tradicional” é, primeiro, um conjunto de algum modo coerente e, segundo, algo que existe em contraste com “arquitetura moderna”. Essas duas afirmações têm um quê de óbvio quando olharmos para alguma intervenção moderna numa cidade tradicional. fig. 14 Por outro lado, elas também têm um quê de absurdo quando olhamos para a arquitetura como parte de um processo histórico que não tem um ponto de corte nítido entre tradição e modernidade.

Para podermos decidir entre o óbvio e o absurdo, vamos explorar duas categorias de argumentos: uma que olha para o estilo arquitetônico como indicador de continuidade ou ruptura, e outra que trata dos processos produtivos da arquitetura. A busca pelo limite entre tradição e modernidade vai nos levar até o começo do século XX. Finalmente, vamos buscar alguns princípios gerais que distinguem a construção tradicional da construção moderna.

Pelo menos desde o século XVIII, o estudo da história no Ocidente tem uma relação de amor e ódio com a classificação das sociedades do passado e do presente em “caixas” rotuladas como períodos, culturas ou estilos. fig. 15 Nos séculos XIX e XX, essa rotulagem em períodos, demarcados com uma nitidez bem forçada, foi uma componente central em todas as “escolas” historiográficas da Europa continental, do positivismo ao marxismo. Ela parte do princípio que todos os períodos históricos são entidades totalmente diferentes e incomparáveis entre si. Nesse esquema, não existe uma tradição que possa ser contrastada com a modernidade, só um acúmulo de caixas históricas e culturais que precisam ser classificadas e descritas nas suas respectivas individualidades pelos historiadores.

Figura 15: Joseph Priestley, A New Chart of History, 1769.

Figura 16: Julia Morgan, arquiteta, Hearst Castle, San Simeon, Califórnia (1919–1947), vista panorâmica. Foto: Fietsbel (2008)

Figura 17: Julia Morgan

Na história da arquitetura, a situação era um pouco diferente: havia um senso de continuidade do presente com o passado que se baseava sobretudo no uso dos estilos neo-renascentistas e neomedievais. Para os arquitetos do século XIX e da primeira metade do XX, o que se chamava de “história” da arquitetura era um processo gradual de desenvolvimento dos estilos, quase sem grandes rupturas. Todas as “caixas” de estilos do passado eram um acervo disponível, por assim dizer, para servir como exemplo e inspiração. A epítome dessas infinitas possibilidades é uma mansão construída a partir de 1919 pela arquiteta americana Julia Morgan (figs. 16, 17). Essa mansão, a residência do magnata da imprensa William Randolph Hearst, combina vários estilos de inspiração espanhola, desde o gótico até o barroco (figs. 18, 19), inclusive obras de arte originais desses períodos que foram levadas da Europa. fig. 20

Figura 18: Hearst Castle, Casa del Sol. Foto: King of Hearts (2012)

Figura 19: Hearst Castle, Casa Grande. Foto: King of Hearts (2012)

Figura 20: Hearst Castle, salão. Foto: Dani Lavi (2014)

Figura 21: Hearst Castle, biblioteca. Foto: David Monniaux (2006)

Figura 22: Jean-Nicolas-Louis Durand, prancha do Recueil et parallèle des édifices de tout genre, anciens et modernes…, 1801. Biblioteca digital da Universidade de Heidelberg

Jean-Nicolas-Louis Durand (Nicolas para os íntimos), que foi professor de projeto na Escola politécnica de Paris no começo do século XIX, defendia essa unidade entre o presente e o passado. Ele demonstrou essa percepção de unidade publicando uma espécie de apostila para uso dos seus alunos.Durand, Recueil et parallèle des édifices de tout genre anciens et modernes.

O livro de Durand apresentava galerias e mais galerias de edifícios com função semelhante, mas de épocas e lugares diversos. Esses edifícios semelhantes eram reunidos numa mesma prancha e desenhados na mesma escala, para serem usados como repertório de projeto. fig. 22

Figura 23: Paul Philippe Cret, estudo para um trono episcopal, École des Beaux-Arts, Paris (c. 1900)

Esse modo de pensar a história da arquitetura como um repertório de estilos de todas as épocas para uso do projeto é conhecido como “arquitetura analítica” — porque o universo do repertório era estudado e, por assim dizer, desmanchado para ser recombinado em soluções novas, nunca repetitivas, mas sempre em harmonia com o que se entendia ser o desenvolvimento do estilo.Garric, Des frontispices aux « éléments analytiques ».

fig. 23

A arquitetura analítica segundo o método de Durand vai ser uma das bases do ensino de arquitetura nas academias de arte que seguiam o modelo da École des Beaux-Arts em Paris.Corona Martínez, Ensaio sobre o projeto.

Por isso, esse método é conhecido como acadêmico ou Beaux-Arts. Os levantamentos analíticos enviados pelos bolsistas da Academia da França em Roma nos séculos XIX e XX fig. 24 estão entre os documentos mais precisos e mais úteis para quem estuda arquitetura clássica.

Figura 24: Victor Blavette, composição com fragmentos do templo dito de Hércules, Cori. Envio de Roma, publicado em Hector d’Espouy, Fragments d’architecture antique, 1905, ap. Jean-Philippe Garric (2015)

Figura 25: Rue des Fossés Saint-Jacques, Paris. Foto: Mbzt (2014)

Então, será que o estilo é a chave para compreender a unidade da arquitetura tradicional? A capacidade do método acadêmico de manipular uma variedade de estilos representa, sem dúvida, uma vontade de demonstrar continuidade com as tradições. Essa vontade vai garantir a harmonia visual das cidades do século XIX mesmo diante da modernização tecnológica muito intensa. As ruas de Paris (fig. 25) parecem uma paisagem harmoniosa e coerente hoje em dia justamente porque elas são o resultado de séculos de normas urbanísticas e de esforços dos construtores para se harmonizar com as construções preexistentes.

Mesmo assim, o ideal de unidade da arquitetura de todas as idades graças à continuidade do estilo já tinha começado a se esgarçar dentro do próprio método acadêmico. De fato, o estudo da arquitetura analítica tinha uma aporia central. Quanto mais os arquitetos estudavam as construções do passado pela lente da continuidade do estilo, mais ficavam evidentes as descontinuidades entre períodos que supostamente pertenciam à mesma tradição “clássica”. Essa discrepância começou a ser percebida por Piranesi na segunda metade do século XVIII, mas ficou escancarada quando o arquiteto franco-alemão Jacques-Ignace Hittorff publicou, em 1851,Hittorff, Architecture polychrome chez les Grecs.

reconstituições de templos gregos coloridos. fig. 26

Figura 26: Prancha de Architecture polychrome chez les Grecs por Jacques-Ignace Hittorff (1851). Biblioteca digital da Universidade de Heidelberg

Figura 27: Thomas Carter e Elizabeth Collins Cromley, Invitation to Vernacular Architecture (2005). Vernacular Architecture Forum

A crise da diversidade de estilos no século XIX foi um problema essencialmente elitista: ela envolvia o estudo da arquitetura erudita do passado para a formação dos arquitetos eruditos do presente. O reconhecimento da diversidade de tradições se aprofunda não só no tempo, mas também no espaço, quando a arquitetura vernácula passa a ser objeto de estudo na história e no projeto. fig. 27 Isso acontece, sobretudo, a partir da década de 1960.

Em 1964, o arquiteto americano Bernard Rudofsky apresentou a exposição Arquitetura sem Arquitetos fig. 28 no Museu de Arte Moderna de Nova York (MoMA). Essa exposição deu a deixa para “libertar” o conceito moderno de arquitetura do domínio do ofício formal do arquiteto. Depois, veio em 1969 o livro House Form and Culture de Amos Rapoport,Rapoport, House Form and Culture.

que deu uma base sociológica para o estudo da arquitetura popular. O estudo da arquitetura vernácula ajuda a desmantelar aquela definição elitista da arquitetura vinculada à profissão do arquiteto. Já vimos como essa definição nos leva ao anacronismo e a uma visão equivocada da arquitetura tradicional.

Figura 28: Exposição Architecture without Architects. MoMA (1964)

Figura 29: Lucio Costa, croquis no artigo Documentação necessária (1937)

Rudofsky era um arquiteto modernista. A relação do movimento Moderno com o problema da unidade versus diversidade da arquitetura tradicional é contraditória, mas as idas e vindas nesse argumento nos ajudam a perceber melhor a diferença entre arquitetura tradicional e a moderna. Para alguns autores importantes do modernismo, afirmar que a tradição tem uma essência unitária por cima das diferenças de período histórico ou região era um meio de legitimar o próprio modernismo. O suíço Sigfried GiedionGiedion, Space, Time and Architecture.

e o brasileiro Lucio Costa usaram esse argumento para afirmar que a arquitetura moderna nada mais é do que a última etapa no desenvolvimento natural da arquitetura. Costa chegou mesmo a esquematizar essa pretensão de naturalidade num croquis muito famoso de 1937.Costa, Documentação necessária, 36–37.

Esse croquis foi publicado na primeira edição da Revista do Patrimônio e mostra uma espécie de “história” da arquitetura brasileira como uma progressão de menos janelas para mais janelas, terminando, é claro, na janela–fita do modernismo. fig. 29

Os discursos que se servem da pretensão continuidade entre tradição e modernidade costumam ser discursos moralistas. Eles enxergam algum defeito não só estético, mas sobretudo ético, em algum momento da história da arquitetura, e prometem um movimento arquitetônico que vai recuperar a moralidade perdida — principalmente no que diz respeito a uma suposta exigência de correspondência direta entre tecnologia e estilo. É o caso dos argumentos de Giedion e Lucio Costa, que denunciavam a imoralidade do ecletismo e diziam que o modernismo representava não tanto a criação de um modo totalmente novo de fazer arquitetura, mas a volta de um modo correto de fazer — e por que não de um modo primordial, segundo Giedion.

Figura 30: John Ruskin, autorretrato, 1861

Só que esse modo de argumentar não nasceu com o modernismo; ele aparece desde alguns autores século XVIII, e se torna um modo hegemônico de falar de arquitetura pela metade do século XIX. Quem mais se destacou com argumentos moralistas nessa época foi o arquiteto, pintor e fotógrafo inglês John Ruskin. fig. 30 Ele é um autor bastante popular entre os arquitetos brasileiros hoje em dia, especialmente por causa das suas ideias radicais sobre restauro e sobre a emancipação do operário no canteiro de obras.

Figura 31: John Ruskin, arco gótico com cúspide, 1853. Lápis, carvão, nanquim, aguada, pintura a óleo e pintura dourada sobre papel. Ruskin Foundation

Figura 32: John Ruskin, Santa Maria della Spina, Pisa, 1846–1847. Aquarela. Reproduzida pelo The New York Times

Ruskin propõe uma teoria que é familiar e interessante para o nosso estudo. No seu livro mais famoso, As sete lâmpadas da arquitetura, de 1849,Ruskin, The Seven Lamps of Architecture.

ele argumenta que a arquitetura precisa representar a verdade (segunda lâmpada). Para isso, o edifício deve expor o seu sistema construtivo com clareza, como na arquitetura gótica. fig. 31 Mas ele equilibra a verdade com a vida (quinta lâmpada). A vida, para Ruskin, aparece quando o construtor se sente realizado numa organização tradicional do trabalho como, também, a do canteiro gótico, fig. 32 onde ele pode trabalhar com autonomia e criatividade. O construtor no canteiro, e não o arquiteto no seu escritório…

Figura 33: David Watkin

O historiador inglês David Watkin, fig. 33 em 1968,Watkin, Morality and Architecture.

jogou Ruskin e os modernistas no mesmo balaio: o dos autores que justificam o estilo arquitetônico pelas suas conotações morais. Watkin mostrou que essa associação é puramente arbitrária e não tem nada a ver com aspectos intrínsecos à obra arquitetônica. O que Watkin tinha em mente nessa discussão era uma definição de arquitetura enquanto prática profissional. A única coisa que o estilo representa é o próprio estilo, assim como a prática dos diferentes ofícios da construção — do pedreiro ao arquiteto — exprime o próprio lugar dessas práticas no processo produtivo da arquitetura. O estilo não representa visualmente o modo de fazer a arquitetura, e a rigor qualquer modo de produzir as construções pode se vestir com qualquer estilo.

O ecletismo é exatamente isso, mas também temos exemplos onde uma estética modernista veste uma construção tecnologicamente “atrasada”: é o caso da residência projetada pelo arquiteto Gregori Warchavchik na vila Mariana, em São Paulo. fig. 34 A ironia da chamada “casa modernista” de Warchavchik não é tanto que ela tenta disfarçar uma construção com telhado cerâmico e paredes portantes, e fingir uma cobertura plana ou janelas–fita. A ironia é que a própria existência dessa casa demonstra a continuidade entre, de um lado, o processo construtivo que está por trás dos estilos ecléticos e, do outro, as demandas estéticas do modernismo.

Essa continuidade dá razão, pelo menos em parte, a Ruskin quando ele afirma que o processo construtivo é um fator determinante para caracterizar a arquitetura. Com esse conflito entre uma descrição da arquitetura baseada em estilos e outra baseada no processo produtivo, vamos enfim conseguir distinguir a arquitetura tradicional da arquitetura moderna.

Figura 34: Gregori Warchavchik, casa modernista na vila Mariana, São Paulo (residência Klabin–Warchavchik, 1927–1928)

Agora já temos duas categorias de argumentos discutindo a descontinuidade entre arquitetura tradicional e moderna.

A primeira categoria se concentra nas diferenças de estilo. Ela tenta mostrar que cada período histórico, com o seu estilo característico, é uma singularidade absolutamente inconciliável como qualquer outro período e estilo. Desse ponto de vista, não existe continuidade entre o tradicional e o moderno, mas tampouco existe uma arquitetura tradicional. fig. 35

Figura 35: Luke Blackamore, História da arquitetura

A segunda categoria se concentra nas diferenças de processo produtivo. Ela prioriza uma clivagem fundamental entre a construção artesanal das tradições e a construção moderna, que separa a concepção da execução e, no fim da linha, atomiza ao extremo o próprio processo produtivo da obra. fig. 36

Figura 36: Cadeia produtiva da indústria da construção. Skat Consulting in Rwanda (2017)

Vimos mais acima que a comparação entre estilos (fig. 37) servia, no século XIX e início do XX, um propósito importante no estudo e na prática da arquitetura eclética. Apesar de a arquitetura analítica acabar mostrando a diversidade quase infinita de tradições arquitetônicas, ela consegue conciliar essa diversidade num repertório estruturado. O ecletismo consegue acomodar a diversidade de estilos muito além do cânone europeu fig. 38 e, inclusive, separar o estilo das outras características da edificação — construção e espacialidade.

Figura 37: Banister Fletcher, ordens de arquitetura clássica comparadas. A History of Architecture on the Comparative Method (1896)

Figura 38: George Wittet, arquiteto. Portal da Índia, Bombaim, 1924. Foto: Myers Brothers (1924)

Figura 39: Banister Fletcher, árvore da arquitetura, em A History of Architecture on the Comparative Method, 15.ª ed. (1950)

Apesar disso, seguir o fio condutor do estilo nos leva a um paradoxo justamente quando tentamos demarcar a separação entre o repertório de estilos ecléticos e o modernismo. A síntese eclética de estilos que o método acadêmico realiza é uma atitude de arquitetos que se consideram eles próprios como modernos. Essa modernidade vem, por um lado, do fato de que eles têm todos os períodos históricos pelas costas. Por outro lado, a modernidade do academicismo também está nos recursos técnicos e sobretudo críticos que está ao alcance dos arquitetos ecléticos: a metodologia arqueológica e historiográfica que permite reconstituir os estilos históricos. O exemplo emblemático dessa visão de conjunto sobre a história é a “Árvore da Arquitetura”. Esse diagrama foi desenhado para a terceira edição da história da arquitetura de Banister Fletcher, em 1899, e só deixou de ser incluído a partir da décima sexta edição, em 1961. fig. 39 A capacidade que o ecletismo tem de trabalhar com as tradições estéticas de todo o mundo e de todos os tempos é resultado precisamente da sua própria modernidade.

E para completar o paradoxo: apesar de o modernismo rejeitar ideologicamente a estética do ecletismo acadêmico, do ponto de vista dos processos produtivos da arquitetura — ou seja, as tecnologias e as instituições, inclusive de ensino, que produzem arquitetos e construções — o modernismo é uma continuação do sistema Beaux-Arts com muito pouca ruptura.

Um exemplo dessa continuidade tecnológica é o edifício acadêmico do Grand Central Terminal em Nova York, que foi construído na primeira década do século XX; por trás do revestimento classicista, ele usou componentes e processos construtivos tão modernos quanto os componentes e processos do arranha-céu modernista que o modernista Walter Gropius implantou logo atrás do terminal cinco décadas depois. fig. 40

Figura 40: Warren & Wetmore, arquitetos, Grand Central Terminal, Nova York (1904–1913), e MetLife building (1963), por Pietro Belluschi e Walter Gropius. Foto: Beyond My Ken (2012)

Figura 41: Le Corbusier, arquiteto, maquete do plano Voisin com a sua inserção no centro histórico de Paris (1925)

O modernismo não só se calca na tecnologia que já era usada pela arquitetura eclética: ele também ocupa os mesmos lugares institucionais e espaciais inventados pelo sistema acadêmico. Esses lugares são as escolas de belas-artes, o mercado editorial e, quase que como uma desforra, o próprio centro físico da cidade industrial. Le Corbusier não pode se contentar em propor a sua Cidade Contemporânea no meio de uma área aparentemente vazia; ele precisa inserir um trecho do seu plano Voisin em pleno centro histórico de Paris. fig. 41 A afirmação da legitimidade do modernismo como sucessor da arquitetura tradicional depende dessa tomada de posse simbólica da cidade existente.

É sintomático que o plano Voisin não pretendesse substituir a arquitetura eclética que Le Corbusier desprezava tanto, e que ocupava sobretudo os novos bulevares na periferia de Paris. fig. 42 Em vez disso, o modernista propõe eviscerar a mesma área do centro histórico que já estava na mira dos projetos de “saneamento” do século XIX — os mesmos projetos que resultaram na abertura das avenidas que Le Corbusier ridicularizava por serem grafismos geométricos sem sentido.

Figura 42: Boulevard Haussmann na esquina da rua Miromesnil. Foto: Charles Marville, c. 1853–1870

Figura 43: Um visitante no museu do Louvre. Foto: Jon Westra, 2013

O historiador da literatura Hans Robert Jauss se apoia no poeta francês do século XIX Charles Baudelaire e no filósofo alemão do século XX Walter Benjamin para defender essa posição.Jauss, “Tradition, Innovation, and Aesthetic Experience”.

Ele sustenta que a capacidade de classificar e apreciar a arte de outros períodos históricos e culturas é uma característica da modernidade como um todo, incluindo tanto o método acadêmico quanto as vanguardas modernistas. fig. 43 Outros aspectos, mais materiais, também aproximam o modernismo do ecletismo acadêmico; além da continuidade tecnológica, o modernismo se insere nas mesmas estruturas de financiamento e de poder político que, antes, promoviam o ecletismo.

Acabamos de tomar um desvio que foi do século XVIII ao XX para tratar de delimitar tradição e modernidade. Nesse processo, o que encontramos foi uma transição gradual e não uma ruptura nítida. Afinal, como diz o historiador da arquitetura brasileiro Gustavo Rocha-Peixoto, fig. 11

[…] no fundo, a história não passa de uma grande e única transição.Rochapeixoto:2013estrategia?

A diferença entre a arquitetura tradicional e a moderna, como acabamos de ver, não consiste na rejeição ou na adoção de algum estilo por motivos ideológicos — seja esse estilo clássico, gótico, modernista ou qualquer outro. O que distingue o tradicional do moderno, afinal, é a transição gradual nos modos de fazer arquitetura — da organização do trabalho ao sistema de financiamento da construção, passando pelas tecnologias tangíveis e intangíveis usadas no processo produtivo.

É bem verdade que o modernismo ideológico crava uma cunha nesse processo e radicaliza a transição. Ele assume a modernidade tecnológica e espacial não simplesmente como um fato da sociedade, mas como um objetivo a ser perseguido e impulsionado custe o que custar — às vezes até como o único objetivo que vale a pena perseguir. fig. 44 Mas essa radicalização só nos ajuda a perceber melhor as características da transição.

Figura 44: OMA, arquitetos, e Arup, concepção estrutural, Edifício sede da CCTV, Pequim, 2004–2013. Foto: Arup

Arquitetura é construção

Este curso começa explorando os três princípios da arquitetura: construção, espacialidade e plástica. A divisão da arquitetura nessas três componentes conceituais foi formulada no tratado de Vitrúvio, por volta do ano 15 a.C.:Vitrúvio, Tratado de arquitetura, I, iii.

Firmitas

Solidez da construção, tanto na realidade quanto na segurança visual que ela transmite. Durabilidade e sustentabilidade dos processos construtivos.

Utilitas

Funcionalidade dos espaços arquitetônicos, considerando a sua resiliência diante das inevitáveis mudanças de uso que ocorrem no longo prazo.

Venustas

Geralmente traduzida como beleza ou agrado, inclui também a adequação visual de uma construção ao seu propósito social mais amplo.

Cada um desses princípios é a base para uma categoria de definições muito difundidas da arquitetura; você certamente já ouviu falar em algumas delas. À firmitas corresponde a definição de que arquitetura é construção. À utilitas corresponde a definição de que arquitetura é espaço socialmente organizado. E à venustas corresponde a definição de que arquitetura é arte.

Dos três princípios, a construção propriamente dita é o requisito para se chegar aos outros dois. Portanto, vamos considerar antes de mais nada que Arquitetura é construção. Temos que entender a construção, aqui, tanto como a materialidade das edificações, quanto como os processos que produzem as edificações: o trabalho e a cadeia de de fornecimento e processamento dos materiais. fig. 45

Figura 45: Construção tradicional contemporânea no Marrocos. Foto: Fundação Terrachidia, 2018

Figura 46: Auguste Perret, palais d’Iéna, Paris, 1937

Essa definição não é exclusiva da arquitetura tradicional. O engenheiro e arquiteto moderno francês Auguste Perret insistia na relação muito próxima entre arquitetura e construção. Nas suas obras construídas em concreto armado, como o palácio Iéna em Paris, fig. 46 tanto quanto nos seus aforismos famosos, Perret defendia uma identidade quase completa entre arquitetura e construção; nesse caso, a arquitetura não é algo que incrementa ou que se distingue da construção, mas é ela própria a expressão da lógica construtiva:

Arquitetura é a arte de fazer cantar o ponto de apoio.

Auguste Perret, 1935

Figura 47: Makoto Fukada, mestre carpinteiro, residência tradicional japonesa, século XXI. Seyseysha

Começamos com isso, portanto:

Arquitetura é construção.

Corolário 1: os objetos arquitetônicos são objetos da construção; o ofício da arquitetura é lidar com objetos da construção — imaginar, realizar e estudar esses objetos; o espaço arquitetônico é aquele delimitado por construções; a função social da arquitetura está no modo como ela põe em prática as relações produtivas e ideológicas da sociedade.

Figura 48: Captura de tela do jogo Assassin’s Creed: Odyssey. Thierry Dansereau, diretor de arte (Ubisoft)

Figura 49: Les compagnons du devoir, corpo de formação e atuação profissional de artesãos dos ofícios da construção na França

Um esclarecimento sobre os “objetos da construção” para nos desvencilhar de qualquer mal-entendido antes de prosseguir. Objetos da construção não são necessariamente objetos construídos, nem sequer objetos construtíveis. Seja nos mundos artísticos e literários, seja na realidade virtual, fig. 48 temos muitos “objetos da construção” que são imaginados como pertencendo a processos construtivos. fig. 49 E, claro, a construção pode envolver qualquer arranjo de materiais inertes ou vivos — pense no paisagismo, por exemplo. É isso o que temos em mente.

Corolário 2: arquitetura tradicional é aquela que resulta dos processos produtivos tradicionais da construção, tanto no passado quanto no presente.

Esse segundo corolário é o que caracteriza, de fato, a arquitetura tradicional. Arquitetura tradicional não é fazer estilos históricos usando processos construtivos industrializados: isso é possível, e tem sido feito com sucesso desde o século XIX. O edifício Martinelli, em São Paulo, foi construído em concreto armado e com estilo neo-Renascimento francês. fig. 50 Ele é um exemplo brilhante de como fazer construção moderna seguindo as lógicas espacial e plástica tradicionais.

Figura 50: William Fillinger, arquiteto, edifício Martinelli, São Paulo, 1916–1924. Vista aérea de 1929

Figura 51: Henri Guillou, carpinteiro, tesoura de telhado reconstruída numa mansão rural histórica, 2014

Só que isso não é o objeto deste curso: aqui vamos nos ocupar da tradição arquitetônica como um esforço global, que envolve o tripé completo dos princípios da arquitetura: construção tradicional, espacialidade tradicional e plástica tradicional. Vamos estudar a aplicação desses princípios desde a pré-história até o presente. São práticas que continuam em vigor tanto na conservação de construções históricas quanto em novas edificações; as técnicas e os processos são os mesmos, como na obra do carpinteiro francês Henri Guillou. fig. 51

Figura 52: Capa do livro Sérgio Ferro: arquitetura e trabalho livre

A prática da construção tradicional na sociedade moderna nos obriga a considerar o processo produtivo como um problema a ser enfrentado. Essa questão vem sendo abordada desde a década de 1960 pelo arquiteto brasileiro Sérgio Ferro. fig. 52 No entanto, a sua teoria esbarra numa contradição inerente à construção moderna, que o próprio Ferro não consegue superar: a causa da separação entre arquitetura e construção, no pensamento marxista de Ferro, é a separação do processo produtivo entre arquiteto e construtor.Ferro, Arquitetura e trabalho livre.

Essa separação se aprofunda com a gradual industrialização do processo construtivo; no jargão marxista, a indústria aliena o operário na linha de produção com respeito ao domínio material, mas também intelectual, sobre a cadeia produtiva da construção no seu todo. Ferro busca encontrar um sistema onde todos os trabalhadores da construção se apropriem de todo o processo produtivo da obra. fig. 53

Figura 53: Canteiro do mutirão da União da Juta, São Paulo. Foto: acervo Usina CTAH

Figura 54: Sérgio Ferro, arquiteto, residência Boris Fausto, São Paulo, 1961. Foto em Fiori (2018)

A aporia de toda a crítica de Ferro e de outros arquitetos marxistas está em querer emancipar o trabalhador da construção sem questionar nem a existência do arquiteto como responsável pela criação de uma obra autoral, nem a industrialização da cadeia produtiva da construção. O resultado dessa crítica incompleta é a produção de obras arquitetônicas que são, primeiro, absolutamente autorais, ou seja, obras onde a “mão” do arquiteto–artista predomina sobre a autonomia dos trabalhadores; segundo, obras que servem a clientes burgueses e legitimam as relações de classe social que Ferro pretende combater; terceiro, obras que reproduzem a alienação do trabalho porque usam processos predominantemente industrializados, a começar pelo concreto armado. fig. 54

Nossa primeira aproximação ao estudo da arquitetura tradicional dividiu o campo da arquitetura em três princípios: construção, espacialidade e plástica, onde a construção é a base dos outros dois princípios. Na continuação, vamos detalhar o que é construção tradicional e como ela é diferente da construção moderna.

Construção tradicional e construção moderna

O cerne da arquitetura tradicional, e o eixo estruturante de todo este curso, está em certos modos de produzir o ambiente construído. Esses modos fazem parte dos saberes populares em várias regiões do mundo, fig. 55 coexistem hoje em dia com a construção moderna e são influenciados por ela. A construção tradicional também é praticada por arquitetos eruditos, como o japonês Shigeru Ban. fig. 56 O arquiteto americano Steve Mouzon chama essas culturas construtivas tradicionais de “o verde originário”, por serem sustentáveis desde sempre.

Figura 55: Casa em pedra lavrada e tijolos com argamassa de barro, Nepal, 2018. Foto: Housing Reconstruction Program

Figura 56: Shigeru Ban, arquiteto, casa no Nepal, após 2015. Foto: Voluntary Architects Network

Mas o que exatamente é construção tradicional? Esse termo agrupa, na verdade, três grandes tipos de tradições construtivas: estruturas tensionadas ou “tendas”, estruturas em pórticos ou “cabanas”, e estruturas feitas de paredes portantes e arcos, que vamos chamar de “cavernas”. Antes de entrarmos no detalhe de cada uma dessas tradições, precisamos entender o que distingue as tradições construtivas da construção industrializada moderna.

Os modos tradicionais de construir são marginalizados no ensino de arquitetura e engenharia, e, claro, na indústria da construção moderna. A arquiteta paquistanesa Yasmeen Lari (fig. 57) fechou o seu escritório comercial em 2010 para se dedicar à construção tradicional por meio de uma ONG. Vários fatores explicam essa situação, desde o estigma de pobreza associado a comunidades tradicionais até os ciclos de financiamento da indústria da construção moderna e exigências de certificação de desempenho das edificações. Todas essas são questões socioeconômicas complexas que têm sido debatidas em fóruns profissionais ao longo das últimas décadas. Aqui, o que nos interessa é conhecer a construção tradicional; para isso, temos que partir do que é mais institucionalizado: a construção moderna.

Figura 57: Yasmeen Lari, arquiteta, reconstrução de povoação rural na província de Sindh, Paquistão, 2011. Aljazeera via ArchDaily.

A característica que define a construção moderna é o uso de componentes construtivos industrializados. Tanto no ensino quando na prática profissional, os arquitetos esperam usar componentes padronizados, com desempenho conhecido, comprados por catálogo e às vezes até instalados pelo fornecedor. Mas o caráter industrial da construção moderna, ainda assim, precisa ser justificado.

A construção é geralmente considerada como um dos processos menos industrializados do mundo moderno. fig. 53 Quando se diz isso, o pressuposto costuma ser o de que um edifício deveria ser produzido como um objeto industrial móvel, digamos um objeto grande, como um avião. fig. 58 Um avião é inteiramente fabricado dentro de uma linha de produção; os seus componentes são levados para a fábrica a partir de fornecedores especializados, cada parte mais ou menos completa, e montados com precisão. Em contraste, a construção de edifícios é considerada artesanal: os seus componentes são levados para o canteiro em unidades elementares (tijolos, vergalhões, no máximo alguns caminhões de concreto), e as margens de tolerância da montagem são, em geral, grandes. fig. 59

Figura 58: Linha de produção de bombardeiros TB–32 na Consolidated Aircraft, 1944–1945. Força Aérea dos Estados Unidos

O que é preciso ponderar aqui, é que essas observações se referem à última etapa do processo produtivo da construção. Antes de chegar no canteiro de obra, a construção moderna é totalmente dependente de processos industrializados, a começar pelo cimento Portland. Por mais que os componentes da construção sejam simples em comparação com as peças que fazem parte da montagem final de um avião, eles são industrializados e a sua produção é mais ou menos centralizada. Isso é especialmente o caso de componentes com desempenho certificado, como o vidro, fig. 60 que tem cadeias de produção extremamente concentradas num número pequeno de fornecedores globais.

Figura 59: Concretagem de pavimento. Ted DeCagna Photography

Figura 60: Valode & Pistre, arquitetos, torre Saint-Gobain, La Défense, Paris, 2019. Foto: Sergio Grazia

Figura 61: Forno de tijolos na Índia. Foto: Suyash Dwivedi, 2015

Figura 62: Sistema estrutural em madeira serrada padronizada. Legacy Post and Beam

A construção tradicional é descentralizada, em oposição a essa concentração da cadeia produtiva da construção moderna. Mesmo os componentes tradicionais que são produzidos em massa, como os tijolos, fig. 61 tendem a ser fabricados e distribuídos em redes locais. Pode haver certa padronização — especialmente na produção de madeira serrada para a carpintaria como é o caso no norte da Europa e na América do Norte. fig. 62 Nesse caso também a diferença entre a construção tradicional e a moderna é a concentração da cadeia de fornecimento dos componentes.

Figura 63: Padrão de selo do programa Procel Edifica de certificação em eficiência energética

A diferença entre a concentração da cadeia produtiva moderna e o localismo da construção tradicional não é só uma questão de logística. Cada vez mais, os códigos de obras e as normas técnicas em todo o mundo determinam certificações de desempenho para os componentes e sistemas construtivos. fig. 63 Em geral, as construções tradicionais atendem aos padrões mais exigentes de conforto térmico e acústico. Os materiais naturais e os processos construtivos tradicionais também emitem menos gases de efeito estufa ao longo do ciclo de vida do que a construção moderna. Acontece que a certificação do desempenho é um processo trabalhoso e caro, que enviesa o sistema a favor das grandes indústrias.

Mais ainda, a introdução da construção moderna altera toda a lógica do projeto. Não se trata simplesmente de substituir materiais artesanais por materiais industrializados, mas de pensar os sistemas construtivos de modo fragmentado. Cada componente industrializado em geral atende a um indicador de desempenho: resistência estrutural, isolamento térmico ou acústico, resistência ao fogo, etc. Portanto, o atendimento a vários indicadores é feito de modo aditivo e isolado: vários componentes lado a lado, cada um cumprindo um único papel. fig. 64 A construção moderna acaba sendo dependente de cadeias produtivas muito profundas e especializadas.

Figura 64: Escritório Risse, projeto executivo de fachada, Centro Comercial Am Holm, Flensburg, Alemanha, 2005

O resultado são sistemas com interações complexas e frágeis, com uma vida útil muito curta em comparação com as construções tradicionais. É o ciclo de financiamento das construções modernas, medido em décadas senão anos, que torna essa fragilidade economicamente viável: em pouco tempo, os passivos de edifícios inutilizáveis e irreparáveis, quando não de acidentes, são revertidos para terceiros, ou pior, para o público. fig. 65 Pelo contrário, a construção tradicional, como vamos ver agora, é feita para durar.

Figura 65: Desabamento do viaduto do Eixo Rodoviário Sul, Brasília, 2018. Foto: Agência Brasil

Dito de modo mais tangível: como a cadeia produtiva da construção tradicional é predominantemente local e regional, o processamento dos materiais de construção tende a ser mais simples, menos intenso e, claro, menos industrializado. A manufatura de tijolos moldados individualmente, como nesta olaria em Qom, no Irã, fig. 66 resulta em produtos visualmente parecidos com os tijolos extrudados industrialmente, mas as suas propriedades são totalmente diferentes.

As propriedades mais importantes da construção tradicional que decorrem desses processos artesanais são:

  1. Compressão é preferível à flexão

  2. Repetição com variações

No que diz respeito à compressão, em primeiro lugar, as grandes massas de parede resolvem de uma tacada só uma série de requisitos de desempenho da edificação. fig. 67 As estruturas aparentemente superdimensionadas para as cargas verticais na verdade consideram também o contraventamento para flambagem da própria estrutura e para cargas horizontais, como o vento ou terremotos.

Figura 67: Construção de abóbada de tijolos em Puducherry, Índia. Instituto Auroville, 2017.

Figura 68: Análise de desempenho térmico e qualidade do ar em construção tradicional na Beira Alta, Portugal. Fernandes (2020)

Além disso, a massa de material denso — que pode ser pedra, tijolo ou taipa — funciona como isolante térmico e acumulador passivo de calor. fig. 68 Por outro lado, mesmo essas grandes massas são porosas em certa medida: isso mantém uma boa qualidade do ar interior, sem pôr em risco a integridade do sistema, ao contrário das construções modernas.Fernandes et al., “Thermal Performance and Comfort Condition Analysis in a Vernacular Building with a Glazed Balcony”.

Quando a estrutura principal é um esqueleto em madeira, a redundância construtiva resulta naturalmente da baixa resistência da madeira ao cisalhamento — isso é válido tanto na construção tradicional quanto na moderna. O detalhamento dos apoios nas extremidades das vigas, usando capitéis ou mãos, dá um caráter distintivo marcante a cada uma das inúmeras tradições arquitetônicas da madeira. fig. 69 As árvores e o volume de florestas em cada região são o principal fator de dimensionamento dos elementos principais — colunas ou esteios e vigas ou barrotes.

Figura 69: Tokyō (mãos) na portada do salão dourado do Tōdaiji, Nara, Japão, 1709. Foto: Gisling, 2007

Figura 70: Floresta manejada de Satoyama, Japão. UN University.

Na Europa ocidental e na Ásia oriental, desde a Idade Média, o manejo e a renovação das florestas de onde se extraía a madeira tem sido uma preocupação central para a salvaguarda das tradições construtivas. Esse manejo assumiu formas variadas historicamente, desde os privilégios da nobreza sobre o uso das matas na França medieval até interditos religiosos sobre florestas sagradas no Japão da Idade Moderna. fig. 70

O caráter artesanal da construção tradicional permite, em segundo lugar, adaptações nos módulos dos elementos da arquitetura. Às vezes, essas adaptações não são só possíveis, mas mesmo necessárias. A arquitetura moderna tenta realizar em cada obra expressões estéticas originais a partir de componentes industriais idênticos. A arquitetura tradicional, ao contrário, não tem problema em alinhar composições parecidas entre si, usando componentes que são sempre ligeiramente diferentes de uma obra para a outra, como nas construções em volta da piazza del Campo, em Siena. fig. 71

Figura 71: Piazza del Campo, Siena. Foto: Pedro P. Palazzo, 2015

É claro que alguns componentes tradicionais tendem a ser mais padronizados que outros: os módulos de tijolos e blocos de adobe, às vezes até as seções de madeira serrada, tendem a se basear em medidas costumeiras nas oficinas locais ou regionais, mais raramente nacionais. Mas mesmo esses componentes podem ser ajustados às particularidades da obra: na Europa e nas Américas, por exemplo, era comum produzir tijolos dimensionados especialmente para as colunas de algum edifício importante, como nessa casa romana em Herculano. fig. 72

Figura 72: Colunas em tijolos curvos, casa da Portada Grande, Herculano, século I d.C. Foto: Paul Turner, 2008

Elementos maiores, como portas e janelas completas, são produzidos caso a caso, e podem muito mais facilmente ser ajustados aos requisitos de cada construção. É o trabalho que desempenham, ainda hoje, muitos marceneiros tradicionais, como o espanhol Miguel Ángel Balmaseda. fig. 73 E, claro, os módulos estruturais são sempre condicionados às dimensões do lote, sem aqueles espaços residuais que são a praga de muitas construções modernas. Por isso é que dizemos que a arquitetura tradicional se baseia na repetição de formas semelhantes, com variações nos casos particulares.

Figura 73: Marcenaria de Miguel Ángel Balmaseda, Écija, Espanha. Premio Richard H. Driehaus de las Artes de la Construcción, 2019.

Essa repetição com variações é a característica fundamental dos ambientes construídos tradicionais; é o que dá identidade aos pontos turísticos, e é o que enfatiza a coesão social de comunidades. O equilíbrio entre a harmonia do conjunto e a expressão individual não precisa ser imposto por normas urbanísticas exaustivamente detalhadas, e nem depende da boa vontade do cliente ou de alguma habilidade plástica excepcional do arquiteto: esse equilíbrio está embutido no próprio processo produtivo da construção, em todas as tradições do mundo, como aqui em Zanzibar, na Tanzânia. fig. 74

Figura 74: Cidade de pedra, Zanzibar, Tanzânia, séculos XIV–XIX. Foto: Aakash Mehrotra, 2015

O que não é arquitetura tradicional

Figura 75: Frontispício do livro Origem e fundamentos da desigualdade entre os homens, de Jean-Jacques Rousseau, 1755

Depois dessa primeira aproximação ao que é arquitetura tradicional, é importante fazer algumas ressalvas sobre o que arquitetura tradicional não é. A arquitetura tradicional não é uma projeção invertida da arquitetura moderna, e acima de tudo não é uma projeção dos desejos e fetiches culturalistas do pensamento ocidental moderno. Esses desejos costumam implicar uma inversão de valores que tem o seu auge no Iluminismo europeu do século XVIII, com a alegoria do “bom selvagem” imaginada pelo filósofo suíço Jean-Jacques Rousseau. fig. 75

Essa fantasia europeia pretendia substituir a história bíblica do jardim do Éden fig. 76 por um milenarismo secular centrado no combo sociedade igualitária–posse coletiva dos bens e da tecnologia–vida em harmonia com a natureza. Ela inspirou movimentos socialistas como a vila de New Harmony, fundada pelo industrial escocês Robert Owen em 1824 no interior dos Estados Unidos, fig. 77 e o o romance utópico News from Nowhere do arquiteto Arts and Crafts inglês William Morris. fig. 78

Figura 76: Jan Brueghel, o velho, Jardim do Éden, óleo sobre madeira, c. 1610–1612. Acervo museu Thyssen–Bornemisza, Madri

Figura 77: Vista do projeto de New Harmony, Estados Unidos, idealizado em 1824 por Robert Owen. Gravura: F. Bate, 1838

Figura 78: Primeira página dupla do livro News from Nowhere, escrito e ilustrado por William Morris (London: Hammersmith, 1892)

Figura 79: Capa de reedição recente do livro de E. B. Tylor, Primitive Culture, 1871
Figura 80: Capa do livro The Eternal Present, baseado na série de palestras de 1957 de Sigfried Giedion

A utopia tradicionalista do Iluminismo tem como contrapartida uma visão colonialista e, no fim das contas, racista de sociedades não ocidentais como sendo “primitivas”. fig. 79 As culturas que foram chamadas de “tradicionais” pelos europeus do século XIX e XX eram descritas pelos antropólogos como sociedades desprovidas de história: elas estariam presas numa espécie de “eterno presente” das origens da humanidade, repercutido no argumento de 1957 do historiador da arquitetura Sigfried Giedion. fig. 80

Caracterizar a arquitetura tradicional como sendo um produto de sociedades sem história e sem progresso tecnológico nos leva de um erro interpretativo para outro, que, este, é mais específico ao domínio da história da arquitetura. A polarização entre arquitetura “não histórica” e arquitetura “histórica”Fletcher e Fletcher, A History of Architecture on the Comparative Method for the Student, Craftsman, and Amateur.

reforça um viés evolucionista que está no centro das grandes narrativas convencionais em História da arte. fig. 39

Figura 81: Diagramas de casas vernáculas, c. 1900

Na maioria dos livros-texto de História da arte e da arquitetura até hoje, esse viés fica bem evidente na distinção entre culturas artísticas eruditas e culturas vernáculas. Arquiteturas históricas são aquelas que se caracterizam, na narrativa, pela transformação ao longo do tempo, uma transformação impulsionada pelos grandes monumentos eruditos da Europa. Essa arquitetura erudita da Europa tem, geralmente, nome e sobrenome, com artistas ou, no mínimo, mecenas que se destacam pela sua contribuição para as inovações artísticas. Em contraste, as tradições vernáculas, tanto na Europa quanto em outras regiões do mundo, são relegadas a um segundo plano como um substrato cultural que (quase) nunca muda, fig. 81 e pode ser liquidado em um ou dois capítulos pro forma.

Essa narrativa apresenta a arquitetura vernácula como uma cultura construtiva que não está apenas parada no tempo, mas que, além disso, existe num plano cultural e tecnológico totalmente separado da arquitetura erudita que evolui no tempo. Só que essa separação não existe na realidade, pelo menos não antes da industrialização da arquitetura moderna. Os sistemas e os processos construtivos da arquitetura vernácula são em grande parte os mesmos usados na arquitetura erudita de cada região. No máximo, dentro do inventário de materiais e técnicas disponíveis, a arquitetura erudita tende a privilegiar os mais sólidos e duráveis, que são também mais caros. Mas nem sempre essa distinção material é muito evidente — o mais comum é a diferença estar no rigor geométrico e decorativo das construções.

Adendo: problemas com outras definições de arquitetura

Figura 82: Lucio Costa no seu escritório na antiga sede do Iphan, palácio Capanema

Em muitos casos, a definição de arquitetura tem duas partes: primeiro, afirma-se que arquitetura é construção; depois, essa afirmação é qualificada: arquitetura é algo a mais do que a “simples construção”, como dizia Lucio Costa: fig. 82

Já é tempo, portanto, de se reconhecer agora, de modo inequívoco, a legitimidade da intenção plástica, consciente ou não, que tôda obra de arquitetura, digna dêsse nome — seja ela erudita ou popular —, necessariamente pressupõe.Costa, Considerações sôbre arte contemporânea, 4.

Figura 83: Le Corbusier com uma maquete da Unidade de Habitação, década de 1950

A definição de Lucio Costa é calcada num texto de um dos maiores teóricos do modernismo, o suíço Le Corbusier. fig. 83 Num dos manifestos fundadores do modernismo, o livro Por uma arquitetura que ele publica em 1923, Le Corbusier insiste na diferença entre engenharia e arquitetura. Enquanto a engenharia é útil, eficiente e econômica, só a arquitetura desperta emoção:

O arquiteto, ordenando formas, realiza uma ordem que é pura criação de seu espírito; pelas formas, afeta intensamente nossos sentidos, provocando emoções plásticas; pelas relações que cria, desperta em nós ressonâncias profundas, nos dá a medida de uma ordem que sentimos acordar com a ordem do mundo, determina movimentos diversos de nosso espírito e de nossos sentimentos; sentimos então a beleza.Le Corbusier, Por uma arquitetura, 3.

Desde já, temos um problema para falar de arquitetura tradicional. Tanto a equivalência da arquitetura com uma especialização profissional quanto o conceito de arquitetura como algo que modifica ou aumenta o efeito da “simples construção” exigem uma distinção fundamental que não é evidente em si mesma. Essa distinção pode ser entre profissionais arquitetos e não-arquitetos, ou entre objetos construídos que contam como arquitetura, como a obra de Le Corbusier, fig. 84 ou que não contam como arquitetura, como os silos que Le Corbusier usa como exemplos. fig. 85

Figura 84: Le Corbusier, Villa Schwob, La Chaux-de-Fonds, 1912–1916. Foto: Schwizgebel (2008)

Figura 85: Silo no Canadá, fotografia reproduzida no livro Por uma arquitetura de Le Corbusier, 1923

Como já vimos na Introdução, falar de arquitetura em termos de algo que é acrescentado à simples construção pelo profissional arquiteto ou pela “legitimidade da intenção plástica” do construtor popular gera uma contradição que invalida o estudo do nosso objeto. A distinção diz respeito ao gosto de quem estabelece essa distinção, e não tem nada a ver com qualquer qualidade ou atributo intrínseco à obra. Para piorar, essa distinção supõe que nós, hoje, admitindo uma diferença entre arquitetura e construção, temos autoridade para decidir como as pessoas em todas as épocas do passado deveriam ter separado arquitetura da construção. Nada mais difícil do que saber, quanto mais decidir pelos outros, esse critério de distinção.

Figura 86: Johann Heinrich Wilhelm Tischbein, Goethe na campanha romana, 1787

Uma alternativa a esse juízo de gosto mal disfarçado é usar conceitos abstratos. Um caso extremo desse tipo de abstração, que chega a ser obscuro, é o famoso aforismo atribuído ao filósofo alemão Goethe (fig. 86):

Música é arquitetura líquida. Arquitetura é música petrificada.

Johann Wolfgang von Goethe, 1829

Figura 87: Planta da aldeia Kejara dos Bororo, Mato Grosso, por Claude Lévi-Strauss, 1936. Acervo da Biblioteca Digital Curt Nimuendaju

Às vezes esses conceitos se apoiam sobre uma teoria sociológica consistente. É o caso da definição que o antropólogo francês Claude Lévi-Strauss deu na primeira metade do século XX, a propósito de uma aldeia dos índios Bororo. Lévi-Strauss abre mão completamente de usar a própria palavra arquitetura. Em vez disso, ele descreve a aldeia em termos de morfologia ou organização geométrica abstrata:

A estrutura morfológica da aldeia exprime imediatamente a organização social.Lévi-Strauss, Contribuição para o estudo da organização social dos índios Bororo, 10.

Uma versão mais genérica foi formulada pelos matemáticos ingleses Bill Hillier e Julienne Hanson. Eles foram os criadores de um método de análise topológica do espaço chamado “sintaxe espacial”. fig. 88 Assim como Lévi-Strauss, eles evitam falar em arquitetura e preferem usar o conceito abstrato de “espaço”:

O espaço socialmente organizado pelos seles humanos é função de formas de solidariedade social.Hillier e Hanson, The Social Logic of Space, xi.

Esse conjunto de definições, de Lévi-Strauss a Hillier e Hanson passando por Henri Lefèbvre, é útil em certos contextos justamente porque ela abarca a totalidade do ambiente humano. No caso específico da sintaxe espacial, que é um instrumento de análise e projeto urbanístico, o objeto de intervenção é dado a priori: alguma cidade ou trecho de cidade. Por isso, a indefinição do conceito de “espaço socialmente organizado” é útil e já está delimitada por um objeto claro e nítido.

Figura 88: Planta de acessibilidade pedestre na zona de Euston, Londres, segundo a metodologia da sintaxe espacial. Responsável técnica: Anna Rose. Escritório de projetos Space Syntax, 2013

Mas, em outros contextos, é uma definição tão abstrata que não sabemos bem a que categoria de objetos ela se refere. O que é o espaço? O que é organizar socialmente o espaço (fig. 89)? Existe um modo de organizar o espaço que não seja social? Existe alguma forma de organização social que não aconteça no espaço? Essa dificuldade de delimitar o que seja arquitetura quando ela é definida como “espaço socialmente organizado” é particularmente séria quando estamos estudando o conjunto da arquitetura tradicional no tempo e no espaço, sem um objeto recortado a priori.

Figura 89: Maryea Flaherty, Organize your Workspace (2015)

Até agora encontramos duas classes de definições para a arquitetura:

  1. Arquitetura é uma qualidade que distingue um profissional ou um objeto com respeito aos “simples construtores” ou às “simples construções”;

  2. Arquitetura é o espaço socialmente organizado, e, portanto, é a representação no espaço de um modo de organização social.

O segundo modo de definir arquitetura é um pouco como a arte conceitual: desde o mictório ready-made que Marcel Duchamp expôs em 1917 numa mostra de arte em Nova York, fig. 90 qualquer coisa pode ser arte. Do mesmo modo, qualquer coisa faz parte da organização da sociedade, e qualquer coisa existe no espaço. Ora, se tudo pode ser arte e tudo pode ser arquitetura, o que separa aquilo que é arte arte daquilo que não é arte, e aquilo que é arquitetura daquilo que não é arquitetura?

Figura 90: Marcel Duchamp, Fonte, 1917

A resposta é muito simples, e vem do conceito de “distinção” formulado pelo sociólogo francês Pierre Bourdieu.Bourdieu, A distinção.

Garry Stevens aplicou esse conceito ao domínio da arquitetura.Stevens, O círculo privilegiado.

O que distingue a arquitetura da não arquitetura é o cachê do arquiteto. Esse cachê pode vir enfeitado com uma justificativa teórica da moda, à semelhança das teorias artísticas contemporâneas como o conceito de ready-made reciclado (com perdão pelo trocadilho) por Andy Warhol. fig. 91 Mas, no fim das contas, essa justificativa só faz encobrir uma afirmação de status social ou cultural. E assim estamos de volta à primeira classe de definições, e continuamos dependentes do juízo da classe dominante quanto ao que “presta” e ao que não “presta”.

Figura 91: Andy Warhol, Campbell’s Soup Cans, 1961–1962

Basicamente, o que Bourdieu e Stevens explicam é que onde os critérios são muito vagos, as distinções dependem do arbítrio de quem já se encontra num status social ou cultural elevado. Uma definição abstrata demais do círculo da arquitetura não é uma definição onde cabem todos; é uma definição onde alguns são incluídos e outros, excluídos com base numa genealogia canônica. Por sinal, é por isso que mesmo os arquitetos modernistas, que queriam romper com a arquitetura tradicional, se esforçaram tanto para controlar a narrativa da história da arquitetura: fig. 92 a genealogica canônica da arquitetura histórica é que legitimava o modernismo como último estágio dessa história.

Figura 92: Le Corbusier, paralelos de desenvolvimento do estilo entre os templos gregos e os automóveis do início do século XX

Bibliografia

Bann, Stephen. “Clio in Part: On Antiquarianism and the Historical Fragment”. Perspecta 23 (1987): 24–37. https://doi.org/10.2307/1567105.
Bourdieu, Pierre. A distinção: crítica social do julgamento. Traduzido por Daniela Kern e Guilherme J. F. Teixeira. São Paulo; Porto Alegre: Edusp : Zouk, 2008.
Corona Martínez, Alfonso. Ensaio sobre o projeto. Traduzido por Ane Lise Spaltemberg e Sylvia Ficher. Brasília: Editora UnB, 2000.
Costa, Lucio. Considerações sôbre arte contemporânea. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Saúde, 1952.
———. Documentação necessária. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional 1 (1937): 31–39.
Durand, Jean-Nicolas-Louis. Recueil et parallèle des édifices de tout genre anciens et modernes. Paris: Gillé Fils, 1799.
Fernandes, Jorge, Raphaele Malheiro, Maria de Fátima Castro, Helena Gervásio, Sandra Monteiro Silva, e Ricardo Mateus. “Thermal Performance and Comfort Condition Analysis in a Vernacular Building with a Glazed Balcony”. Energies 13, nº 3 (janeiro de 2020): 624. https://doi.org/10.3390/en13030624.
Ferro, Sérgio. Arquitetura e trabalho livre. Organizado por Pedro Fiori Arantes. São Paulo: Cosac Naify, 2006.
Fletcher, Banister, e Banister F. Fletcher. A History of Architecture on the Comparative Method for the Student, Craftsman, and Amateur. 5. ed. London : New York: Batsford : Scribner’s sons, 1905. http://archive.org/details/historyofarchite00flet.
Garric, Jean-Philippe. Des frontispices aux « éléments analytiques », les compositions graphiques d’architecture à l’École des beaux-arts. Livraisons de l’histoire de l’architecture, nº 30 (dezembro de 2015): 59–68. https://doi.org/10.4000/lha.547.
Giedion, Sigfried. Space, Time and Architecture: The Growth of a New Tradition. Fourth. Cambridge, Mass.: Harvard University Press, 1961.
Hillier, Bill, e Julienne Hanson. The Social Logic of Space. Cambridge: Cambridge University Press, 1984.
Hittorff, Jacques Ignace. Restitution du temple d’Empédocle à Sélinonte, ou L’architecture polychrome chez les Grecs. Paris: Firmin-Didot frères, 1851. http://gallica.bnf.fr/ark:/12148/bpt6k107481g.
Jauss, Hans Robert. “Tradition, Innovation, and Aesthetic Experience”. The Journal of Aesthetics and Art Criticism 46, nº 3 (abril de 1988): 375–88. https://doi.org/10.2307/431108.
Le Corbusier. Por uma arquitetura. São Paulo: Perspectiva, 1977.
Lévi-Strauss, Claude. Contribuição para o estudo da organização social dos índios Bororo. Revista do Arquivo Municipal (São Paulo) XXVII (1936): 5–80. http://www.etnolinguistica.org/biblio:levi-strauss-1936-bororo.
Rapoport, Amos. House Form and Culture. Englewood Cliffs, N.J.: Prentice-Hall, 1969.
Rowe, Colin. “The Mathematics of the Ideal Villa. In The Mathematics of the Ideal Villa and Other Essays, 1–28. Cambridge, Mass.: M.I.T. Press, 1976.
Ruskin, John. The Seven Lamps of Architecture. New York: John Wiley, 1849. http://archive.org/details/lampsofarchitect00rusk.
Stevens, Garry. O círculo privilegiado: fundamentos sociais da distinção arquitetônica. Traduzido por Lenise Garcia Corrêa Barbosa e Sylvia Ficher. Brasília: Editora UnB, 2003.
Tafuri, Manfredo. Teorias e história da arquitectura. Biblioteca de Textos Universitários 29. Lisboa: Presença, 1979.
Vitrúvio. Tratado de arquitetura. Traduzido por M. Justino Maciel. São Paulo: Martins Fontes, 2007.
Watkin, David. Morality and Architecture: The Development of a Theme in Architectural History and Theory from the Gothic Revival to the Modern Movement. Oxford: Clarendon, 1977.